Largando o Pico

("Leaving Pico" from The Holyoke, translation by Vamberto Freitas)

Ouvíamos da cozinha o falar do Pico
onde os vivos se sentavam a enrolar
cigarros nos seus dedos grossos,
as garrafas de cerveja
à sua frente na mesa
onde se sentavam e diziam "verde",
green, como as costas
de certos peixes ou os pescoços
de pequenos melros que sugavam
flores desabrochando na primavera
ao longo das paredes caiadas de branco:
caminhos verdes e de barro, diziam eles,
e os paredões ondulantes
pincelados de cal branca
e quantos baús
no porão de um navio,
que talheres, que panos, quantos
rosários e velas para a Virgem,
e as orações para os velhos mortos
deixados para a eternidade nos montes húmidos
(os montes verdes, e à noite
a luz das candeias de azeite
e por vezes o lamento duma viola
e os moinhos brancos sobre
o exíguo chão dos mortos)
e tudo isto enquanto se
preparavam para dormir por detrás
dos lábios roxos e olhos pesados
nesta terra distante
consolados somente pelo modo como a lua
e as marés se posicionam
caminhando para outras escuridões
como quem não quer mais regressar.

 

 

More Poems from The Holyoke

Diving For Money
Ernestina The Shoemaker's Wife
Leaving Pico
The Old Country
Torrão Natal